Pacotes de viagens: como diferentes opções influenciam suas escolhas?

Estudos sobre economia comportamental comprovaram que, diante de muitas possibilidades, nem sempre fazemos as melhores escolhas – e isso vale para compras, investimentos e muitas outras decisões. Descubra como driblar essa tendência no seu dia a dia.

Em nossa mente, acreditamos que somos livres para escolher. Ainda mais quando se trata de algo que gostamos ou desejamos e que não estão relacionadas a nenhuma responsabilidade, como nossas férias, por exemplo. No entanto, mesmo em situações como assim, somos influenciados pelo contexto no qual a informação é apresentada a nós. Quer ver como?

Vamos imaginar que você resolveu tirar umas férias e fazer uma viagem. Já reservou o dinheiro, tem a data programada e agora só precisa escolher o local. Depois de pesquisar várias opções, você ficou em dúvida entre a Serra Gaúcha e uma praia no Nordeste.

Então, você encontra dois pacotes de viagem, um para cada destino, com preços parecidos. Os dois pacotes incluem café da manhã no hotel. Diante dessas possibilidades, o que vai fazer você decidir? O seu objetivo para o passeio. Se quiser tomar sol e aproveitar o calor, o Nordeste será a melhor opção. Mas, se quiser aproveitar um clima mais fresquinho, a Serra é mais interessante.

Agora, vamos supor que você ficou mais tentado a fechar o pacote para o Nordeste e, então, apareceu uma terceira opção: Serra Gaúcha sem café da manhã. O que aconteceria com a sua mente?

Você deve estar pensando: “Nada, pois estou com vontade de ir para o Nordeste. Mas o nosso cérebro não funciona assim. A entrada de uma terceira opção – Serra Gaúcha sem café da manhã – fez com que o pacote Serra Gaúcha com café da manhã ficasse mais atraente, e isso influenciou a sua decisão.

Essa tendência de comportamento foi comprovada em um estudo realizado por economistas comportamentais para provar o quanto estamos sujeitos à arquitetura de escolhas, ou onde colocamos o foco da nossa lente na hora de tomar uma decisão. A presença de uma terceira opção altera as proporções entre as escolhas: 48% e 52% no primeiro combo e 38% e 62% no segundo! Dá para acreditar?

Agora, você deve estar se perguntando como fazer para não se distrair e não cair nessa “armadilha” da mente. E eu te conto.

O segredo é colocar o foco nos seus objetivos e metas e sempre se lembrar deles. No caso do exemplo da viagem, o desejo era ir tomar sol no Nordeste, mas quando você abriu o olho, estava tomando chimarrão na Serra Gaúcha só porque apareceu uma opção nada interessante e por uma diferença de preço pequena, que não oferecia café da manhã.

 

Como esse fenômeno se conecta com a sua vida financeira?

Todos nós temos objetivos e metas que traçamos num momento em que estamos pensando objetivamente sobre eles. Sabemos o que é importante para nós e aonde queremos chegar.

Muitas vezes, porém, mesmo quando se trata dos nossos investimentos, também desviamos dos nossos objetivos. Também nos distraímos em comparações entre os diferentes produtos oferecidos no mercado e podemos acabar nos equivocando.

Se ao invés disso escolhermos os produtos financeiros em que vamos investir nosso dinheiro tendo como base puramente os nossos objetivos, as chances de sucesso no longo prazo serão maiores.

Um exemplo de produto assim é o Brasilprev Carteira. Com ele, você escolhe seu plano de acordo com o seu perfil de risco e com a estratégia que melhor se adapta às suas expectativas. A partir daí, são os especialistas que se encarregam de fazer a atualização das aplicações dentro do fundo para ter um planejamento mais estratégico para você. Assim, fica mais fácil conseguir melhores resultados e atingir seus objetivos.

Com esse novo produto, a sua atenção pode ficar totalmente voltadas às suas metas de longo prazo e você se torna mais resiliente, mesmo se houver flutuações momentâneas na rentabilidade. Isso também vai te ajudar a ter um olhar mais crítico em relação às novidades que surgem a todo momento no mercado e que podem te atrapalhar na hora de fazer comparações e decidir.

Nossa mente é muito boa em nos enrolar e nos distrair com o que é menos importante. A boa notícia é que também somos muito bons em aprender com conhecimentos adquiridos. Espero que esse conteúdo te ajude a lidar ainda melhor com seus investimentos!

 

Renata Taveiros
Neuroeconomista

 

Gostou? Veja notícias similares