Série Entendendo os Dados Econômicos: Alô, CÂMBIO! Precisamos falar sobre o dólar

Quando você ouve as frases “o dólar encerrou o dia em alta” ou “dólar caiu 1% no dia”, sabe exatamente o que quer dizer, ou acha que isso só vai impactar na sua viagem para o exterior?

Vamos falar de “taxa de câmbio” para ficar tudo bem claro, principalmente na relação com os números.

A taxa de câmbio nada mais é do que a relação entre a nossa moeda local (o real) com alguma outra moeda. O padrão do mercado financeiro é utilizar o dólar como a principal moeda de comparação. Assim, quando você ouve falar que a taxa de câmbio do dia é de R$5,00, quer dizer que para comprar 1 dólar seriam necessários 5 reais.

Tá, mas por que ela sobe, desce, sobe, desce?

Hoje, a taxa de câmbio é determinada pela oferta e demanda do mercado como em todos os setores da economia. Quanto maior a demanda por um determinado produto, mais caro ele fica.

Então, quanto maior a procura dos investidores por dólares, mais reais o brasileiro terá que desembolsar para comprar a moeda estrangeira, por isso que a taxa de câmbio sobe. O contrário também acontece.

Mas, como ocorrem esses movimentos de oferta e demanda? É importante lembrar que o Brasil está inserido no mercado financeiro internacional, ou seja, as movimentações de oferta e demanda por moeda dos investidores estrangeiros acabam afetando também a nossa taxa de câmbio. A demanda internacional é uma parte desse processo.

Ainda não entendi…

Estados Unidos é considerado o país mais seguro do mundo para investimentos. Por isso, toda vez que acontece algum evento que gera incerteza no mercado internacional, o investidor corre para o que é mais seguro, aumentando a demanda por dólar. Assim, o dólar se fortalece e a taxa de câmbio sobe. Um exemplo desse movimento foi a crise da Covid-19, que fez com que nossa moeda perdesse bastante valor.

Outro fator que pode movimentar o câmbio são os acontecimentos locais. Quando temos notícias positivas em relação à economia brasileira, o real se torna mais atrativo para os investidores e então se valoriza. Um outro exemplo recente disso é o otimismo do mercado com o início da vacinação, que fortaleceu a nossa moeda.

E isso tudo reflete em mim?

Sim! Em nosso dia a dia, ela acaba impactando muito mais do que apenas nossas viagens internacionais. O Brasil é um grande exportador de commodities (produtos de origem agropecuária ou de extração mineral), que são negociadas em dólar. Então, quando a taxa de câmbio está em um patamar mais alto, nossas exportações valem mais, o que acaba trazendo um viés positivo para o PIB. Quer saber mais sobre PIB? Clique aqui.

Porém, parte da nossa produção precisa importar produtos de fora, que são comercializados em dólar. Se os insumos estão mais caros, os produtores terão que repassar esse aumento para os preços, aumentando o IPCA (Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo).

Ufa! Bastante informação, mas viu como tudo pode influenciar o nosso dia a dia? E se você quiser saber mais, temos muito mais conteúdo em nosso blog.

Gostou? Veja notícias similares