Taxa SELIC e Brasilprev: nosso reposicionamento estratégico

Saiba como fica o nosso posicionamento diante de mais um corte na taxa básica de juros (SELIC)

Na última reunião do Copom (Comitê de Política Monetária) acompanhamos um corte de 0,75% na taxa básica de juros, mais conhecida como SELIC. Embora o corte já fosse muito esperado, a porcentagem surpreendeu o mercado e colocou a taxa novamente na mínima histórica, agora em 3% ao ano.

 

Simplificando os termos técnicos, no comunicado o Banco Central demonstrou preocupação com o cenário econômico atual e suas incertezas. Diante disso, optaram por um estímulo monetário moderado e indicaram ainda que na próxima reunião poderá haver um ajuste adicional, no entanto, não maior que o atual.

 

Em meio a esse cenário de incertezas e a queda na inflação, observada no mundo todo por conta da pandemia da COVID-19, vários países estão utilizando a ferramenta dos juros para estimular a atividade econômica. Aqui no Brasil, um momento de perspectivas positivas foi interrompido e deu lugar a incertezas, por isso é preciso repensar as estratégias.

 

 

O atual cenário e a Brasilprev

 

O novo ambiente de juros baixos, que vem se desenhando nos últimos anos, provocou um olhar diferente em relação aos investimentos. O retorno da renda fixa não terá os mesmos níveis de antes e, por isso, tornou-se mais evidente a necessidade de construir um portfólio diversificado, combinando perfil de risco e horizonte de investimento, aos objetivos do investidor.

 

Em decorrência disso, para obter um retorno otimizado, será necessário buscar alternativas em ativos de maior risco. A diversificação e o balanceamento de portfólio, montando uma carteira com diferentes fundos, se mostra cada vez mais relevante na construção de retornos consistentes no longo prazo.

 

Neste momento, é importante ressaltar que as oscilações de preços no mercado financeiro também nos mostram um novo período de oportunidades para comprar bons ativos a preços mais atrativos, considerando todas as classes de investimento.

 

Além disso, é preciso entender a importância da disciplina na composição do portfólio e estar disposto a passar pelas oscilações de curto prazo, assim aumentamos as chances de que os objetivos sejam alcançados no longo prazo.

Gostou? Veja notícias similares